Palestra Putsagrila I abordagem

Palestra do escritor Edvan Brandão

ABORDAGEM TEMÁTICA DO ROMANCE: PUTSAGRILA – A SANIDADE NO CASULO

Desta feita o autor desenvolve uma palestra com abordagens voltadas para os idosos saudáveis, com energia para fazer alguma coisa, quem sabe do tipo: ler um livro, assistir um filme ou até mesmo uma peça de teatro. Para aqueles senhores da terceira idade que continuam trabalhando e sonhando com novos projetos, que ainda conseguem se interessar pelos benefícios que uma palestra pode lhes proporcionar.

Os velhos que não participam de nada disto, são apenas velhinhos desinteressados por qualquer tipo de coisa que exija que eles fiquem por muito tempo no mesmo lugar concentrado prestando atenção em um só assunto. Não é para este tipo de clientela que as palestras são dirigidas, estes em especial necessitam de atenção diferenciada, uma espécie de enfermeira carinhosa que com jeitinho consiga fazer com que eles se alimentem nas horas certas. Este tipo de idoso não está interessado em assistir palestrante, ele prefere ser assistido por Geriatra.


O romance que é um roteiro de um seriado para televisão PUTSAGRILA – A SANIDADE NO CASULO qualificou o escritor EDVAN BRANDÃO para falar com os idosos aproveitáveis os que devem ser resgatados com palavras de alento e apoio. Será abordada primordialmente a necessidade do idoso, que é não se deixar ficar solitário, e muito menos permitir que os parentes que o rodeiam (filhos e filhas, netos e netas, e nem mesmo os companheiros ou companheiras dos seus filhos ou filhas) façam com que ele se sinta culpado por permanecer lúcido e desfrutando do seu dinheiro. São raras as pessoas da família, aquelas mais próximas, que aceitam a convivência com os velhos sabidos que administram as suas posses. Elas preferem os velhos passivos, que se contentam com a atenção especial por um dia no final do mês e entregam para os sabichões todo o rendimento recebido. E mais coisas serão abordadas:

A admiração dos pais pelos filhos verdadeiros, aqueles que respeitam os pais envelhecidos, da mesma forma que os respeitavam quando os acompanhavam — em um passado recente — ao cinema, ao teatro, ao futebol, ao mercado, ao colégio e a todas as lembranças que ainda estão frescas em suas memórias;

A importância do idoso na formação do caráter do neto criado de forma rigorosa e correta pelo pai que foi moldado exemplarmente no passado pelo velho que o filho chama de avô e que ele sempre chamou de pai;

Trabalhar na terceira idade é incomparavelmente gratificante, fortalece a auto-estima, revigora as energias físicas e mentais, melhora o humor dando risadas diante da constatação do aperfeiçoamento do que já havia aprendido antes e diante da ignorância dos jovens que pensam que sabem tudo, mas o orgulho não deixa que aprendam um pouco mais;

Definir de forma clara e objetiva a necessidade da vaidade do idoso, quando ele se apresenta elegante, perfumado, o cabelo com bom trato e de preferência pintado e o sapato combinando com o resto da elegância. O idoso necessariamente não precisa ser um homem cansado, ultrapassado e relaxado.